Sob protestos da torcida, Criciúma é derrotado pela Chapecoense :: ogol.com.br

Sob protestos do torcedor presente no Heriberto Hülse, o Criciúma foi derrotado pela Chapecoense por 1 a 0, no clássico deste domingo, pelo Campeonato Caterinense. O gol condá foi marcado por Augusto, aos 34 minutos do segundo tempo.

Com o resultado, a Chapecoense se manteve na terceira colocação do Catarinense, mas igualou a pontuação do segundo colocado Avaí, chegando aos 24 pontos conquistados. Na próxima rodada, novo clássico contra o Joinville, desta vez na Arena Condá. Já o Criciúma segue na sexta colocação, mas viu a distância para o G-4 aumentar para seis pontos. Até aqui conquistou apenas 14 pontos e agora tentará a reabilitação contra o ameaçado Tubarão, jogando no Domingos Gonzalez. Pela Copa do Brasil, as duas equipes se encontram nos dias 27 de Março e 10 de Abril, jogando na Arena Condá e no Heriberto Hülse, respectivamente.

Claudinei Oliveira muda Chape e decide o jogo

Buscando se aproximar do G4 do Campeonato Catarinense, o Criciúma entrou em campo comandado interinamente por Wilsão, que assumiu o time no início da semana após a demissão de Doriva. Pelo lado da Chapecoense, o técnico Claudinei Oliveira manteve sua base titular, que no meio de semana se classificou na Copa do Brasil. As duas equipes, inclusive, serão rivais na terceira fase do torneio nacional.

Na hora que a bola rolou, o Criciúma começou melhor, criando boas oportunidades com Andrew completando cruzamento de Daniel Costa e Sandro, também de cabeça, após cobrança de escanteio. A Chape demorou a entrar no jogo, e só criou as primeiras oportunidades com quase 15 minutos com Elicarlos finalizando para fácil defesa de Luiz. A partir de então, a partida foi marcada pelo equilibrio e pelo jogo no meio-de-campo, sem grandes oportunidades, o que levou as duas equipes para o intervalo com o placar igualado em 0 a 0.

Na segunda etapa, o Criciúma voltou disposto a espantar a crise e fazer o resultado e começou pressionando e criando as melhores oportunidades. Marlon e Eduardo tiveram ótimas oportunidades, mas não conseguiram colocar o Tigre em vantagem. Foi quando o técnico Claudinei Oliveira mudou o jogo com as entradas de Augusto e Renato nos lugares de Rolim e Victor Andrade. Logo no primeiro lance, a dupla criou oportunidade com Augusto iniciando a jogada, tocando para Renato que cruzou para o volante arriscar e por pouco não abrir o placar.

As chances do Verdão foram se acumulando e a pressão era total em cima da defesa do Criciúma, o que deixou a torcida presente no Heriberto Hülse impaciente, o que gerou protestos contra jogadores, comissão técnica e dirigentes da equipe. A Chapecoense, que não tinha nada a ver com isso, partiu para cima e, aos 34 minutos, abriu o placar. Contra-ataque rápido e a inversão de jogada da esquerda para direita, a bola chegou em Perrotti que da entrada da área bateu, a bola mascou no gramado, Luiz fez a defesa, mas no reboteu Augusto bateu tranquilo para o fundo do gol.

Os protestos se intensificaram e isso gerou uma situação curiosa. O sistema de som do estádio colocou o hino do clube em volume máximo para tentar abafar os gritos dos 6.092 torcedores que xingavam os dirigentes do Tigre. No fim, vitória da Chapecoense por 1 a 0.


Source link