Brexit: Process in deadlock as MPs seek consensus – BBC News

Theresa May falando na Câmara dos Comuns no dia 27 de marçoCopyright da imagem
Parlamento do Reino Unido / Mark Duffy

O processo Brexit permanece em impasse quando os deputados lutam para encontrar um consenso sobre os próximos passos.

O Commons não conseguiu encontrar uma maioria para um caminho a seguir depois de votar oito opções diferentes na quarta-feira.

E enquanto alguns renomeados seniores se mudaram para apoiar o acordo de Theresa May, os parlamentares nos quais ela confia no DUP se recusaram a mudar sua posição.

A PM conseguiu algum apoio dizendo que renunciaria antes da próxima rodada de negociações da UE se o acordo fosse aprovado.

Isso significa que ela ainda pode trazer seu plano de volta ao Commons nesta semana para outro voto – o chamado "voto significativo três" – apesar de já ter sido derrotado duas vezes por grandes margens.

O aliado próximo da Sra. May e ex-deputado Damian Green disse ao programa Today da Rádio 4 da BBC que o primeiro-ministro "seguirá o caminho do soldado".

Mas, embora o primeiro-ministro tenha conquistado o ex-secretário de Relações Exteriores, Boris Johnson, vários brutamistas ainda se recusam a votar no acordo.

O ex-secretário do Brexit Dominic Raab disse que ainda acredita que ainda é possível obter concessões da UE sobre o acordo, mas se o bloco não se mover, deve haver "conversas sensatas" em torno de não-negociação.

E o vice-presidente do Grupo de Pesquisa Européia, Steve Baker, sugeriu que ele pode renunciar ao chicote conservador em vez de votar pelo acordo.

O que aconteceu ontem à noite?

Os deputados votaram para tomar o poder da Câmara dos Comuns na quarta-feira e apresentar uma série de opções para levar o Brexit adiante – incluindo a saída sem acordo, criando uma união aduaneira e apoiando um referendo confirmativo sobre qualquer acordo.

Mas depois de várias horas de debate, nenhuma das oito opções surgiu como um favorito entre os parlamentares.

O deputado conservador Oliver Letwin, que supervisionou o processo sem precedentes de "votos indicativos", disse que a falta de maioria para qualquer proposta é "decepcionante".

Mas ele disse ao programa Today que não "suposições" devem ser feitas sobre o resultado de mais votos indicativos, que ele acredita que devem ocorrer na segunda-feira se o acordo do primeiro-ministro não for aprovado nesta semana.

"É muito difícil traduzir de como as pessoas votam na primeira vez, quando não sabem como as pessoas estão votando, como elas votarão quando puderem ver como outras pessoas estão votando sob novas circunstâncias", disse ele.

Por favor, atualize seu navegador para ver este interativo

Antes do debate de quarta-feira, a Sra. May disse em uma reunião de legisladores conservadores que deixaria o cargo antes do planejado se tivesse ganho o apoio do Parlamento para seu acordo de retirada com a UE.

A Sra. May disse aos seus deputados: "Ouvi com muita clareza o estado de espírito do partido parlamentar. Sei que existe um desejo de uma nova abordagem – e nova liderança – na segunda fase das negociações Brexit – e não vou tolerar o caminho disso ".

Ela disse aos parlamentares que renunciaria como líder do partido depois de 22 de maio – a nova data do Brexit – mas continuará como PM até que um novo líder seja eleito. No entanto, Downing Street disse que seria um "jogo diferente" se o acordo não fosse aprovado.

Funcionou?

O anúncio da Sra. May de que ela não iria liderar as negociações com Bruxelas sobre as futuras relações entre o Reino Unido e a UE fez com que vários oponentes conservadores de seu acordo sinalizassem seu apoio.

A editora política da BBC Laura Kuenssberg diz que a controvérsia sobre o acordo do PM tem sido centrada no acordo de retirada – ou na primeira fase do Brexit – então para muitos deputados Tory, uma garantia de que não será a Sra. May quem lidera a próxima fase. importante.

Mas, diz ela, a política é um negócio estranho, e as rivalidades e a ambição também podem fazer parte dos cálculos de muitos parlamentares.

Defensores proeminentes de licenças como o Sr. Johnson e o ex-líder conservador Iain Duncan Smith disseram que agora encaram o acordo do primeiro-ministro como a pior opção.

Mas a Sra. May precisa conquistar mais de 75 rebeldes para derrubar a rejeição de 149 votos do acordo em 13 de março.

E muitos, incluindo o proeminente Brexiteer e líder do Grupo de Pesquisa Europeu, Jacob Rees-Mogg, não vão ficar do lado dela a menos que ela obtenha o apoio do DUP – cujo líder disse na quarta-feira que eles não poderiam votar pelo acordo.

Rees-Mogg disse a repórteres: "Não acho que o acordo de repente melhorou, simplesmente que a alternativa agora é pior.

"Sou a favor do acordo e espero que o DUP venha para o acordo, mas teremos que esperar e ver o que eles fazem."

A reprodução de mídia não é suportada no seu dispositivo

Legenda de mídiaArlene Foster: "Backstop torna impossível para nós assinarmos acordo"

A principal objeção do DUP é o backstop, a "apólice de seguro" projetada para evitar o retorno de postos de fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda no caso de um acordo comercial futuro não ser acordado.

Ele argumenta que a medida resultaria na Irlanda do Norte ter que obedecer a regras comerciais diferentes para o resto do Reino Unido, o que a líder Arlene Foster diz que "danificaria a União".

"O recuo nesse acordo de retirada torna impossível para nós assinar o contrato", disse ela à BBC.

O colega do partido, Jim Wells, disse que nenhum sindicalista jamais apoiará o acordo de retirada da Sra. May, uma vez que deixaria a Irlanda do Norte "sentada na sala de espera por mudanças constitucionais".

Raab disse que queria que o governo voltasse para a UE novamente, para "manter o braço da amizade aberto" e "explicar que ainda há tempo para uma troca de cartas que ofereça uma saída juridicamente vinculante do recuo".

Ele acrescentou: "Muitas pessoas dizem que a UE simplesmente não vai se mexer. Isso tem sido tratado como um acessório dessas negociações, em vez de ser testado".

Mas, se não, o Sr. Raab pediu conversas para "mitigar qualquer dano potencial" de sair sem um acordo.

"Se fizermos todas essas coisas no espírito do realismo e do pragmatismo, encontraremos um caminho", disse ele.

Nenhuma mensagem clara dos deputados

O Parlamento exigiu que fosse ouvido muito alto e depois, quando falou, disse muitas coisas diferentes.

Havia sinais, tanto em torno da idéia de uma união aduaneira – uma relação comercial mais próxima com a União Européia quanto do acordo do primeiro-ministro – e também a idéia de ter um referendo de borracha.

Mas certamente não havia uma mensagem clara.

Continua a ser a opinião – como os ministros me disseram nas últimas semanas – de que, em última análise, mesmo que o Parlamento assuma o controlo de alguns destes processos, acabará por cair numa lista, assinalarão as opções uma a uma e todas as rotas levarão a uma forma do acordo de Theresa May.

Mas o dano político que foi feito e a autoridade política que ela agora empenhou e depois perdeu por causa de sua oferta de demissão, tornam isso cada vez mais difícil a cada hora.

Pode ser até segunda-feira, e algumas pessoas no gabinete agora prevêem isso, ou estamos olhando para o primeiro-ministro indo para Bruxelas para dizer que precisamos de uma longa extensão ou o país – como Oliver Letwin sugeriu – está seriamente indo em direção a sair sem um lidar.

Também há sinais de que a oferta de renúncia de Theresa May tenha endurecido a oposição trabalhista, já que eles temem o que o próximo líder conservador vai pressionar.

A deputada trabalhista Liz Kendall disse ao programa Victoria Derbyshire da BBC: "Estou extremamente preocupado com nosso futuro relacionamento com a UE, e o que for acordado no Parlamento sobre o acordo de retirada, o próximo líder Tory – se for um xeque Brexiteer – vai pressionar por um Brexit duro. Eu, pelo menos, não estou preparado para deixar isso acontecer ".

O plano alternativo do Partido Trabalhista para o Brexit – incluindo o "alinhamento próximo" com o mercado único e as proteções aos direitos dos trabalhadores – foi derrotado por 307 votos contra 237 na quarta-feira.

O que acontece depois?

Se o acordo da Sra. May não for aprovado nesta semana, os deputados provavelmente retomarão as discussões sobre algumas das opções rejeitadas através do processo de votação indicativa.

Seu acordo foi rejeitado duas vezes por parlamentares: em janeiro, por 230 votos – a maior derrota para um governo na história – e, em março, por 149 votos.

Das opções alternativas do Brexit votadas pelos parlamentares na quarta-feira, a proposta de Margaret Beckett foi derrotada por 27 votos e a proposta de Ken Clarke, perdida por oito votos.

O ex-parlamentar trabalhista Frank Field – que agora é independente e votou pelo acordo da Sra. May – sugeriu que um acordo poderia ser combinar o acordo de retirada com uma união alfandegária, depois que este recebesse o maior apoio de qualquer uma das propostas de quarta-feira.

Ele disse Victoria Derbyshire: "Há a vontade do povo que disse que queremos deixar [but] Eu acho que o acordo negociado por si só não vai passar pelo Parlamento.

"Por conseguinte, precisamos de acrescentar mais para obter uma maioria no Parlamento. O mais próximo que chegámos a uma maioria ontem foi a união aduaneira [so] Acho que devemos combinar os dois. "

O porta-voz dos Comuns, John Bercow, disse na quarta-feira que o processo acordado pela Câmara permitiu uma segunda etapa do debate na segunda-feira e que não há motivo para que isso não continue.

Embora coube aos parlamentares, ele disse que o objetivo de quarta-feira era "selecionar" várias opções antes de considerar o "mais popular".

Milan recorre para o TAS para evitar excluso das competies europeias :: zerozero.pt

O AC Milan anunciou esta terça-feira que irá recorrer para o Tribunal Arbitral do Desporto, de forma a evitar a exclusão das competições europeias de 2022/23 e 2023/24 por incumprimento das regras do fair play financeiro.

A decisão da UEFA foi comunicada a 14 de dezembro, tendo o organismo que rege o futebol europeu então referido que o clube italiano estaria afastado das provas em questão no caso de «não apresentar um equilíbrio [financeiro] em 30 de junho de 2021».

A UEFA anunciou então também a retenção de 12 milhões de euros referentes aos prémios de participação na Liga Europa de 2018/19, além da impossibilidade de inscrever mais do que 21 jogadores nas provas da UEFA de 2019/20 e 2020/21.


Source link

Os 10 maiores destaques do futebol nacional em 2018 :: ogol.com.br

A temporada 2018 se encerrou no futebol brasileiro, mas certamente deixará boas lembranças em muitos torcedores, e alguns jogadores em especial estarão nelas: os craques que fizeram a diferença para grandes campanhas e títulos. Esses podem ficar na memória do torcedor para sempre. 

Cruzeiro e Palmeiras foram os campeões nacionais em 2018: a Raposa na Copa do Brasil, o Alviverde no Brasileiro. Não faltam craques para serem lembrados… Em Curitiba também não: o Atlético faturou o histórico título da Sul-Americana. Ainda teve o Fortaleza, com campanha marcante e título da Série B… 

A equipe oGol separou os dez principais destaques individuais de 2018. Muitos deles ficaram marcados pelas já citadas conquistas. Outros nem levantaram troféus, mas, ainda assim, conseguiram terminar 2018 em alta. 

Confira a lista

PUB

Source link

Napoli visita Inter em duelo direto entre líderes; Juve recebe Atalanta

Pela penúltima rodada de 2018 no Campeonato Italiano, um duelo entre líderes agita esta quarta-feira. O Napoli, vice-líder, visita a Inter de Milão, terceira colocada, o que poderá beneficiar ainda a líder Juventus, que recebe a Atalanta e pode se isolar ainda mais no topo.

Além de ser um confronto direto entre líderes, a partida ganha um sabor ainda mais especial pelo bom momentos de ambas as equipes. A Inter vem de seis vitórias seguidas em casa, mas precisará quebrar um jejum de mais de anos sem vencer o Napoli. Os napolitanos, por sua vez, apesar da eliminação na Liga dos Campeões, estão há dez jogos sem perder na competição nacional.

O Napoli continua sendo o principal perseguidor da Juventus (Foto: Carlo Hermann/AFP)

A Inter, porém, terá um desfalque importante para o confronto: o belga Radja Nainggolan, suspenso pela direção do clube por motivos disciplinares. A bola rola às 17h30 (de Brasília).

Horas antes, a Juventus medirá forças com a Atalanta, nona colocada. O craque Cristiano Ronaldo ficará no banco e Douglas Costa deve ganhar a posição e forma dupla com o croata Mario Mandzukic. Além disso, Matuidi sequer foi relacionado e também desfalcará a equipe bianconera.

Em caso de vitória da Juventus e derrota do Napoli nesta quarta-feira, a Velha Senhora abrirá uma vantagem de 11 pontos para o vice-líder.

Confira todos os duelos desta quarta-feira, respeitando o horário de Brasília:

9h30 – Frosinone – AC Milan
12h – Atalanta – Juventus
12h – Bologna – Lazio
12h – Cagliari – Genoa
12h – Fiorentina – Parma
12h – Sampdoria – Chievo
15h – AS Roma – Sassuolo
15h – SPAL – Udinese
15h – Torino – Empoli




Source link

Liverpool recebe Newcastle podendo terminar o primeiro turno invicto

O Liverpool pode realizar a proeza de terminar o primeiro turno do Campeonato Inglês invicto. Para isso, basta o time de Jürgen Klopp não perder para o Newcastle nesta quarta-feira, na tradicional rodada do Boxing Day, que marca também o final do primeiro turno.

Além da possibilidade de terminar o primeiro turno sem derrotas, o Liverpool quer vencer para manter a vantagem de quatro pontos para o vice-líder Manchester City e, consequentemente, passar a virada do ano na liderança. O Liverpool começa a rodada com 48 pontos, enquanto o time de Manchester soma 44. O Newcastle, adversário dos Reds, é o 15º colocado com 17 pontos.

O Liverpool pode garantir a liderança do Inglês até a virada do ano (Foto: Geoff Caddick/AFP)

Enquanto o Liverpool tem uma tarefa modesta, o City tem um desafio maior. Atual campeão, o time de Pep Guardiola visita o Leicester, nono colocado, fora de casa. Se perder, o time de Manchester pode deixar o Liverpool abrir até sete pontos de vantagem e ainda pode ser ultrapassado pelo Tottenham, que ocupa a terceira posição com 42 pontos.

O Tottenham promete fazer pressão no Manchester City, mas terá pela frente um adversário perigoso. Depois de golear o Everton fora de casa por 6 a 2, o time de Harry Kane recebe o Bournemouth, sétimo colocado com 26 pontos, e pode assumir a vice-liderança.

Depois de perder para o Leicester, o Chelsea visita o Watford, sétimo colocado com 27 pontos. O Arsenal visita o Brighton, 13º colocado com 21 pontos. Já o Manchester United tenta continuar sua recuperação diante do Huddersfield, que tenta fugir da zona de rebaixamento.

Todos os jogos da 19ª rodada do Campeonato Inglês

Quarta-feira
10h30 Fullham x Wolverhampton
13h00 Burnley x Everton
13h00 Crystal Palace x Cardiff
13h00 Leicester x Manchester City
13h00 Liverpool x Newcastle
13h00 Manchester United x Huddersfield
13h00 Tottenham x Bournemouth
15h15 Brighton x Arsenal
17h30 Watford x Chelsea
17h45 Southampton x West Ham




Source link

Fronteiras Invisíveis do Futebol #70 México Pt.2 – Central 3

Concluímos este díptico, da era de Santa Ana (1832-54) até a eleição de López Obrador, em julho deste ano, passando pelos diversos conflitos com os EUA, o Porfiriato (1876-1910), as diversas etapas da Revolução Mexicana e a hegemonia do PRI durante a segunda metade do século passado.

No meio de campo, entenda as especificidades do campeonato local para os demais países do sub-continente e saiba quais brasileiros se destacaram nos clubes – ou seriam franquias? – mexicanos!






Source link

Fronteiras Invisíveis do Futebol #71 Pérsia/Irã Pt.1 – Central 3

 تیم ملی

Nosso especial de final de ano é mais um díptico, desta vez sobre os povos iranianos, da antiga Pérsia ao atual Irã. Passamos pelos medos, pela unificação dos persas e o estabelecimento de um dos principais impérios da antiguidade, o dos Aquemênidas. Aquele que você conhece só como “persa” por causa das batalhas de Maratona, Termópilas e do Gerard Butler de sunga.

Passamos pelos impérios sucessores, pela conquista islâmica, pelos mongóis, turcos, armênios, por um monte de povos que deixaram sua marca nessa grande encruzilhada da civilização. Junto com toda essa História, um pouco da seleção de futebol iraniana, desde as origens do futebol no país (adivinhem com quem?), os primeiros títulos e as gerações que disputaram diversas Copas do Mundo recentemente.






Source link

The Genius Of Football Star Ronaldinho

One of the most important players to FC Barcelona's success under Joan Laporta has been Ronaldo de Assis Moreira from Brazil, although many people will not recognize him under that name. More commonly known as Ronaldinho, sometimes shortened to Ronnie, or otherwise as Gaucho, he is one of the top players in the world and has set the game of football in Spain alight.

Ronaldinho came to Barcelona in 2003 after spending two years with Paris Saint-Germain. The person usually credited with him coming on board is Sando Rosell, who at the time was Vice President of the club and Laporta's right hand man. Ronaldinho quickly established himself as a firm favorite with Barcelona's supporters with the ability to entertain with his ball control as well as score.

After several years of indiscrimident results Barcelona started to regain its confidence and by the end if the 2003-2004 season were back in full swing, finished in second place in the league behind Valencia, with attendances at the Nou Camp growing with each match.

Ronaldinho was born in Porto Alegre in Brazil in 1980 and honed his skills as a child playing indoor and beach football. Aged just 13 he came to the attention of the local media when he scored all the goals in a victory against a local team. When you learn that Ronaldinho's team won 23-0 you get some idea of ​​how impressive a feat that was.

His first team as a professional player was Grêmio in 1998, which his older brother, Roberto, had played for earlier – his own football career was cut short through injury and he eventually became the manager of Ronaldinho instead.

With his magic touch of the ball and a clear ability to score, Ronaldinho was snapped up by the Brazilian squad in 1999 and was clear interest from a number of big-name European clubs, Ronaldinho signed with Paris Saint-Germain in 2001.

Whether he was unhappy in Paris, or enjoying the nightlife too much as manager Luis Fernandez claimed is unclear, but for whatever reason he was unable to produce the on-pitch pyrotechnics that he is famous for and by 2003 Ronaldinho made it clear that he was looking to move on.

Both FC Barcelona and Manchester United went after him, but when Manchester and Paris Saint-Germain were unable to agree transfer terms the way was clear for FC Barcelona to get the Brazilian's signature.

Ronaldinho's debut was on a summer tour of the United States, when the club played an exhibition match against AC Milan in which he scored. He quickly became a favorite of the club, when time after time he was able to produce impressive displays of ball control in which was able to show off his natural talents that however they made it to the back of the net always left him with his trademark toothy grin across his face.

In addition to the La Liga and Champions League titles that Ronaldinho helped propel Barcelona towards, he also has been awarded some of football's top individual awards. In 2004 and 2005 he won the FIFA World Player of the Year award, the European Footballer of the Year in 2005 and worldwide professional footballers association, FIFPro's World Player of the Year in 2005 and 2006.


Source by David Leigh