Fogo desaloja casal e os dois filhos em Arcos de Valdevez Incêndio que começou à hora de almoço deixa casa muito danificada.

Fogo desaloja casal e os dois filhos em Arcos de Valdevez Incêndio que começou à hora de almoço deixa casa muito danificada.

Um casal e os seus dois filhos ficaram esta sexta-feira desalojados na sequência de um incêndio que causou “danos consideráveis” na habitação onde residiam, em Vila Fonche, no concelho de Arcos de Valdevez, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.

De acordo com fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo, as chamas deflagraram cerca das 13h11 numa habitação, com rés-do-chão e primeiro andar, tendo provocado “danos consideráveis, sobretudo, no piso superior”. Acrescentou que a habitação “não oferece condições de habitabilidade, obrigando ao realojamento da família, situação acompanhada pelos serviços de ação social e proteção civil municipal”. Ao local compareceram 14 operacionais e cinco viaturas dos bombeiros voluntários e a GNR de Arcos de Valdevez.

Brexit: Process in deadlock as MPs seek consensus – BBC News

Theresa May falando na Câmara dos Comuns no dia 27 de marçoCopyright da imagem
Parlamento do Reino Unido / Mark Duffy

O processo Brexit permanece em impasse quando os deputados lutam para encontrar um consenso sobre os próximos passos.

O Commons não conseguiu encontrar uma maioria para um caminho a seguir depois de votar oito opções diferentes na quarta-feira.

E enquanto alguns renomeados seniores se mudaram para apoiar o acordo de Theresa May, os parlamentares nos quais ela confia no DUP se recusaram a mudar sua posição.

A PM conseguiu algum apoio dizendo que renunciaria antes da próxima rodada de negociações da UE se o acordo fosse aprovado.

Isso significa que ela ainda pode trazer seu plano de volta ao Commons nesta semana para outro voto – o chamado "voto significativo três" – apesar de já ter sido derrotado duas vezes por grandes margens.

O aliado próximo da Sra. May e ex-deputado Damian Green disse ao programa Today da Rádio 4 da BBC que o primeiro-ministro "seguirá o caminho do soldado".

Mas, embora o primeiro-ministro tenha conquistado o ex-secretário de Relações Exteriores, Boris Johnson, vários brutamistas ainda se recusam a votar no acordo.

O ex-secretário do Brexit Dominic Raab disse que ainda acredita que ainda é possível obter concessões da UE sobre o acordo, mas se o bloco não se mover, deve haver "conversas sensatas" em torno de não-negociação.

E o vice-presidente do Grupo de Pesquisa Européia, Steve Baker, sugeriu que ele pode renunciar ao chicote conservador em vez de votar pelo acordo.

O que aconteceu ontem à noite?

Os deputados votaram para tomar o poder da Câmara dos Comuns na quarta-feira e apresentar uma série de opções para levar o Brexit adiante – incluindo a saída sem acordo, criando uma união aduaneira e apoiando um referendo confirmativo sobre qualquer acordo.

Mas depois de várias horas de debate, nenhuma das oito opções surgiu como um favorito entre os parlamentares.

O deputado conservador Oliver Letwin, que supervisionou o processo sem precedentes de "votos indicativos", disse que a falta de maioria para qualquer proposta é "decepcionante".

Mas ele disse ao programa Today que não "suposições" devem ser feitas sobre o resultado de mais votos indicativos, que ele acredita que devem ocorrer na segunda-feira se o acordo do primeiro-ministro não for aprovado nesta semana.

"É muito difícil traduzir de como as pessoas votam na primeira vez, quando não sabem como as pessoas estão votando, como elas votarão quando puderem ver como outras pessoas estão votando sob novas circunstâncias", disse ele.

Por favor, atualize seu navegador para ver este interativo

Antes do debate de quarta-feira, a Sra. May disse em uma reunião de legisladores conservadores que deixaria o cargo antes do planejado se tivesse ganho o apoio do Parlamento para seu acordo de retirada com a UE.

A Sra. May disse aos seus deputados: "Ouvi com muita clareza o estado de espírito do partido parlamentar. Sei que existe um desejo de uma nova abordagem – e nova liderança – na segunda fase das negociações Brexit – e não vou tolerar o caminho disso ".

Ela disse aos parlamentares que renunciaria como líder do partido depois de 22 de maio – a nova data do Brexit – mas continuará como PM até que um novo líder seja eleito. No entanto, Downing Street disse que seria um "jogo diferente" se o acordo não fosse aprovado.

Funcionou?

O anúncio da Sra. May de que ela não iria liderar as negociações com Bruxelas sobre as futuras relações entre o Reino Unido e a UE fez com que vários oponentes conservadores de seu acordo sinalizassem seu apoio.

A editora política da BBC Laura Kuenssberg diz que a controvérsia sobre o acordo do PM tem sido centrada no acordo de retirada – ou na primeira fase do Brexit – então para muitos deputados Tory, uma garantia de que não será a Sra. May quem lidera a próxima fase. importante.

Mas, diz ela, a política é um negócio estranho, e as rivalidades e a ambição também podem fazer parte dos cálculos de muitos parlamentares.

Defensores proeminentes de licenças como o Sr. Johnson e o ex-líder conservador Iain Duncan Smith disseram que agora encaram o acordo do primeiro-ministro como a pior opção.

Mas a Sra. May precisa conquistar mais de 75 rebeldes para derrubar a rejeição de 149 votos do acordo em 13 de março.

E muitos, incluindo o proeminente Brexiteer e líder do Grupo de Pesquisa Europeu, Jacob Rees-Mogg, não vão ficar do lado dela a menos que ela obtenha o apoio do DUP – cujo líder disse na quarta-feira que eles não poderiam votar pelo acordo.

Rees-Mogg disse a repórteres: "Não acho que o acordo de repente melhorou, simplesmente que a alternativa agora é pior.

"Sou a favor do acordo e espero que o DUP venha para o acordo, mas teremos que esperar e ver o que eles fazem."

A reprodução de mídia não é suportada no seu dispositivo

Legenda de mídiaArlene Foster: "Backstop torna impossível para nós assinarmos acordo"

A principal objeção do DUP é o backstop, a "apólice de seguro" projetada para evitar o retorno de postos de fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda no caso de um acordo comercial futuro não ser acordado.

Ele argumenta que a medida resultaria na Irlanda do Norte ter que obedecer a regras comerciais diferentes para o resto do Reino Unido, o que a líder Arlene Foster diz que "danificaria a União".

"O recuo nesse acordo de retirada torna impossível para nós assinar o contrato", disse ela à BBC.

O colega do partido, Jim Wells, disse que nenhum sindicalista jamais apoiará o acordo de retirada da Sra. May, uma vez que deixaria a Irlanda do Norte "sentada na sala de espera por mudanças constitucionais".

Raab disse que queria que o governo voltasse para a UE novamente, para "manter o braço da amizade aberto" e "explicar que ainda há tempo para uma troca de cartas que ofereça uma saída juridicamente vinculante do recuo".

Ele acrescentou: "Muitas pessoas dizem que a UE simplesmente não vai se mexer. Isso tem sido tratado como um acessório dessas negociações, em vez de ser testado".

Mas, se não, o Sr. Raab pediu conversas para "mitigar qualquer dano potencial" de sair sem um acordo.

"Se fizermos todas essas coisas no espírito do realismo e do pragmatismo, encontraremos um caminho", disse ele.

Nenhuma mensagem clara dos deputados

O Parlamento exigiu que fosse ouvido muito alto e depois, quando falou, disse muitas coisas diferentes.

Havia sinais, tanto em torno da idéia de uma união aduaneira – uma relação comercial mais próxima com a União Européia quanto do acordo do primeiro-ministro – e também a idéia de ter um referendo de borracha.

Mas certamente não havia uma mensagem clara.

Continua a ser a opinião – como os ministros me disseram nas últimas semanas – de que, em última análise, mesmo que o Parlamento assuma o controlo de alguns destes processos, acabará por cair numa lista, assinalarão as opções uma a uma e todas as rotas levarão a uma forma do acordo de Theresa May.

Mas o dano político que foi feito e a autoridade política que ela agora empenhou e depois perdeu por causa de sua oferta de demissão, tornam isso cada vez mais difícil a cada hora.

Pode ser até segunda-feira, e algumas pessoas no gabinete agora prevêem isso, ou estamos olhando para o primeiro-ministro indo para Bruxelas para dizer que precisamos de uma longa extensão ou o país – como Oliver Letwin sugeriu – está seriamente indo em direção a sair sem um lidar.

Também há sinais de que a oferta de renúncia de Theresa May tenha endurecido a oposição trabalhista, já que eles temem o que o próximo líder conservador vai pressionar.

A deputada trabalhista Liz Kendall disse ao programa Victoria Derbyshire da BBC: "Estou extremamente preocupado com nosso futuro relacionamento com a UE, e o que for acordado no Parlamento sobre o acordo de retirada, o próximo líder Tory – se for um xeque Brexiteer – vai pressionar por um Brexit duro. Eu, pelo menos, não estou preparado para deixar isso acontecer ".

O plano alternativo do Partido Trabalhista para o Brexit – incluindo o "alinhamento próximo" com o mercado único e as proteções aos direitos dos trabalhadores – foi derrotado por 307 votos contra 237 na quarta-feira.

O que acontece depois?

Se o acordo da Sra. May não for aprovado nesta semana, os deputados provavelmente retomarão as discussões sobre algumas das opções rejeitadas através do processo de votação indicativa.

Seu acordo foi rejeitado duas vezes por parlamentares: em janeiro, por 230 votos – a maior derrota para um governo na história – e, em março, por 149 votos.

Das opções alternativas do Brexit votadas pelos parlamentares na quarta-feira, a proposta de Margaret Beckett foi derrotada por 27 votos e a proposta de Ken Clarke, perdida por oito votos.

O ex-parlamentar trabalhista Frank Field – que agora é independente e votou pelo acordo da Sra. May – sugeriu que um acordo poderia ser combinar o acordo de retirada com uma união alfandegária, depois que este recebesse o maior apoio de qualquer uma das propostas de quarta-feira.

Ele disse Victoria Derbyshire: "Há a vontade do povo que disse que queremos deixar [but] Eu acho que o acordo negociado por si só não vai passar pelo Parlamento.

"Por conseguinte, precisamos de acrescentar mais para obter uma maioria no Parlamento. O mais próximo que chegámos a uma maioria ontem foi a união aduaneira [so] Acho que devemos combinar os dois. "

O porta-voz dos Comuns, John Bercow, disse na quarta-feira que o processo acordado pela Câmara permitiu uma segunda etapa do debate na segunda-feira e que não há motivo para que isso não continue.

Embora coube aos parlamentares, ele disse que o objetivo de quarta-feira era "selecionar" várias opções antes de considerar o "mais popular".

Receitas Portuguesas

O administrador da SAD encarnada revelou, à imprensa italiana, que estudou a hipótese de levar Lucas Paquetá para a Luz, mas que tal não foi possível concretizar por causa do valor do jogador.

Contratado pelo Milan ao Flamengo por 35 milhões de euros no passado mercado de janeiro, o jogador tem criado bom impacto em Itália e as comparações com Kaká tem sido muitas, embora Rui Costa o tenha evitado fazer.

Certo é que o dirigente encarnado já conhecia o valor do atleta e que, por isso, nada se surpreende pelo bom rendimento que está a apresentar na equipa de Gattuso.

«Já acompanhava o Paquetá no Brasil. Devido à minha função, conheço-o bem. Tem muita qualidade. Quis contratá-lo para o Benfica, mas não foi possível. Era demasiado caro para um clube português», lamentou, em palavras à Gazzetta dello Sport.

Clique aqui e acompanhe todas as movimentações do Mercado de Transferências

Brasil

Lucas Paquetá

Brasil x Panamá - Amistosos 2019
Brasil x Panamá - Amistosos 2019

Receita de caldo verde
Rceitas Portuguesas
Coelho a caçador

Polmicas e leses ficam no passado e Scarpa j tem tantos gols como em 2018 :: ogol.com.br

Gustavo Scarpa chegou ao Palmeiras em 2018, mas bem poderia dizer que fez sua estreia mesmo em 2019. Depois de um ano de disputa extra-campo com o Fluminense e de problemas de lesão, o meia voltou renovado para a nova temporada e provando que pode ser um dos protagonistas do Palmeiras.

Nesta terça-feira, Gustavo Scarpa marcou dois gols da goleada de 5 a 0 sobre o Novorizontino, pelas quartas de final do Paulista. O meia não marcava dois gols em uma partida desde o início de 2018, no seu último jogo antes de se ver proibido de atuar pelo Alviverde, efeito colateral de sua briga na justiça contra o Fluminense. Na época fez dois gols na vitória por 3 a 0 sobre o Ituano, também pelo Paulista.

Scarpa resolveu seus problemas com o Tricolor ainda em 2018, em um acordo entre o clube carioca, o Palmeiras e o atleta. Mas terminou o ano em baixa e sofreu com problemas físicos, talvez por conta da inatividade de quatro meses no meio da temporada. No fim, marcou apenas mais dois gols até o fim do ano, com quatro ao todo, em 22 jogos.

Quatro gols é o que Scarpa já tem ao fim de março de 2019. O meia conta ainda com duas assistências. Tudo em 11 jogos, metade do que disputou no ano passado. Focado e bem fisicamente, Scarpa é outro no Palmeiras, mais próximo daquele que ganhou destaque com a camisa do Fluminense. Felipão sabe disto e espera explorar esse “novo” reforço.

“O ano passado ele passou por aquele processo com o Fluminense, depois teve uma lesão, e depois teve outra lesão. Então ele não dava sequência… Aí fica mais difícil. Agora ele vem correspondendo plenamente. Acredito que seja o Scarpa que conhecemos no Fluminense”, elogiou o técnico.

Brasil

Gustavo Scarpa


Source link

Com dois de Morata, Espanha confirma favoritismo sobre Malta :: ogol.com.br

Com dois gols do atacante Álvaro Morata, a Espanha confirmou o favoritismo em Malta e venceu a seleção local, por 2 a 0, pelas Eliminatórias para a próxima Eurocopa.  

O jogo era todo baseado no ataque espanhol. E o time apertou até conseguir vencer a defesa inimiga. Malta conseguiu um grande feito de levar o 0 a 0 até os 30 minutos. Mas quando Morata recebeu na área, não teve jeito: de canhota, o atacante abriu o placar. 

Foi ataque contra defesa o jogo inteiro, mas os espanhóis não criaram muito. Quando a bola chegava em Morata, era diferente. O segundo foi também do atacante, que aproveitou cruzamento de Jesús Navas da direita e marcou de cabeça. 

2 a 0 foi pouco, mas o suficiente para garantir o sexto ponto espanhol nas Eliminatórias, liderando o grupo F. Malta tem três e está em terceiro na chave. 


Source link

Jogo a passo no animou a Malta; Seis golos num duelo nrdico imprprio para cardacos :: zerozero.pt

Foi novamente sem brilho que a Espanha venceu e somou mais três pontos rumo à qualificação para o Euro 2020. Luís Enrique, ausente devido a problemas pessoais, fez oito alterações relativamente à partida com a Noruega e a La Roja jogou a passo, conseguindo um triunfo tranquilo diante da seleção de Malta, por 0x2.

Álvaro Morata foi a figura do encontro. O avançado do Atlético Madrid marcou os dois golos da seleção espanhola, nos poucos lances em que a equipa de Luís Enrique arriscou um estilo de jogo ligeiramente diferente. A La Roja foi procurando cansar a formação de Malta com trocas posicionais e muitos passes, mas sempre em velocidade reduzida. 

Suécia conseguiu reviravolta impressionante Getty / Valerio Pennicino

Até ao golo, Saul foi o mais inconformado, mas acabou por ser mesmo Morata a abrir as hostilidades. O avançado aproveitou um passe longo de Hermoso e finalizou com pouco ângulo, contando com a colaboração do guarda-redes de Malta, Bonello, que facilitou e deixou a bola passar por baixo dos braços. Na segunda parte, novamente em ritmo de passeio, Morata fechou a contagem com um bom golo de cabeça, após cruzamento perfeito de Jesus Navas. 

Novamente uma jogada fora do estipulado a fazer a diferença e a dar os seis pontos em seis possíveis para a seleção espanhola, que fugiu à Suécia na liderança do grupo. Isto porque a seleção sueca foi à Noruega, onde houve jogo de loucos.

Os noruegueses estiveram a vencer por 2×0, mas a Suécia reduziu a 20 minutos do fim e ainda foi a tempo de conseguir a vitória. Quaison foi o herói, fez o 2×2 e nos descontos conseguiu mesmo a reviravolta, mas, quando poucos já acreditavam ser possível, a Noruega fez mesmo o 3×3, ao minuto 90+6, e o dérbi nórdico acabou empatado.

Neste momento, a Espanha está na liderança do grupo, com a Suécia logo a seguir, com quatro pontos, enquanto Malta e Roménia têm três pontos, uma vez que a seleção romena recebeu as Ilhas Faroé com uma goleada por 4×1.


Source link

Goleada italiana com recorde de Quagliarella :: ogol.com.br

A Itália confirmou o favoritismo em Parma e passou por cima da fraca seleção de Liechtenstein, vencendo por 6 a 0 em duelo válido pelas Eliminatórias para a próxima Eurocopa. 

O experiente atacante Fabio Quagliarella foi um dos destaques da partida. Depois de Sensi ter aberto o placar e Verratti ter feito o segundo, o goleador converteu cobrança de pênalti para, aos 36 anos e 54 dias, se tornar o mais velho a marcar pela Azzurra

Ainda no primeiro tempo, Quagliarella teve outra penalidade para cobrar, e converteu para fazer o 4 a 0. A goleada italiana ainda ficou maior, e com a conexão entre experiência e juventude. Depois de jogada de Spinazzola, Quagliarella mandou para o meio e Keane completou para a rede. O sexto foi de Pavoletti, fechando a conta. 

A Itália lidera o grupo J das Eliminatórias, com seis pontos. Considerado o saco de pancadas da chave, Liechtenstein ainda não pontuou. 


Source link